Até a popularização dos dispositivos tecnológicos em nossas vidas, o pensamento era formado e aprendido por uma metodologia bem diferente.

Se você nasceu antes dos anos 80, provavelmente aprendeu seus ensinamentos de forma linear, nas aulas e livros. O pensamento linear é constituído por uma linguagem com começo, meio e fim, como uma historia é contada. Essa forma de aprendizado normalmente é sólida e completa, passando com detalhes pelo conteúdo.

Apesar de não morta, e ainda muito utilizada, a forma linear dá cada vez mais lugar o pensamento em rede e lógico. A internet e os dispositivos tecnológicos mudaram de forma natural como lemos e avaliamos o mundo. Nosso pensamento se tornou em rede, algo sem começo, meio e fim; algo no qual começamos em um assunto e passamos por diversos assuntos sem conexão.

O pensamento em rede

A facilidade no acesso a informação e sua grande variedade torna cada vez mais nossa leitura e compreensão, muito variada.

Alem de consumidores, a internet nos tornou produtores de conteúdo; mais concretos ou nem tanto apurados assim, os conteúdos disponíveis para consumo estão em todos os lugares e com os mais variados assuntos.

O próprio modo de construção do pensamento, absorção e conversa é afetado; criando um raciocínio mais variado e com mais conexões entre assuntos diversos.

Você já deve ter reparo em uma conversa de bar com amigos a quantidade de assuntos conversados. Podemos passar de um assunto de faculdade para uma foto de gatinho no facebook, sem mesmo que estes tenham conexão entre si, ou remetam a conversa anterior.

A transição

A dificuldade do pensamento em rede, e nesse aspecto também podemos colocar a dificuldade de utilizar dispositivos tecnológicos, é muito mais explicita em pessoas que cresceram antes da propagação da tecnologia.

A compreensão desse grupo de usuários, em relação aos dispositivos tecnológicos, se torna complicada, mesmo que para um jovem é obvia e simples. Esta é uma das maiores exemplificações práticas para a diferença entre aprendizado linear e em rede.

Para usuários que nasceram antes da propagação, porem cresceram com ela, a facilidade já é muito maior, com possibilidade de imersão de 100% de aptidão.

Más, e para os que já nasceram nesse mundo?

Jovens que não conheceram o mundo antes da tecnologia tem uma aptidão ao pensamento em rede e utilização de dispositivos tecnológicos muito facilitada.

Os próprios dispositivos tecnológicos funcionam em formato de rede, uma criança, que já desde pequena utiliza um Tablet, cresce com esse formato incorporado.

Pensamento em rede e a lógica

Dispositivos tecnológicos crescem uma área de raciocínio no cérebro, que o pensamento linear não possuía. A lógica.

Se você não tem dificuldades em utilizar um celular, tablet, caixa eletrônico… você está pensando em rede, com a lógica para suas tomadas de decisão.

Pensar em rede, é pensar com lógica. Não como na definição concreta de lógica (apesar de também sim), más sim no formato de avaliação e formação do raciocínio, seu modo de pensar.

Abrir um aplicativo ou jogo, acessar o menu, definir suas configurações, utilizar botões para tomar ações, clicar em links… tudo isso concretiza a lógica na sua mente e tomada de decisões.

Pensar com lógica, ou seja, avaliar algo e tomar uma decisão baseada em fatores concretos, foi o que nos trouxe até aqui. Começo do pensamento na ciência é baseado na lógica pura. Veja, avalie e conclua.

Benefícios e

dificuldades

Os pensamentos tomados com lógica, tornam resultados mais precisos. Não pense que para fazer isso você deve explicitamente, parar, pensar e concluir. Para o grupo de pessoas afetadas pela tecnologia, essas tomadas de decisões ocorrem naturalmente no dia a dia.

Uma criança que cresce desse modo, cria e estimula seu cérebro com novas conexões neurais a todo momento. Definindo ela como uma pessoa de raciocínio avançado. (Lembre-se que formação de raciocínio, não é inteligência, ou conhecimento, aqui avaliamos a formação do pensamento)

O pensamento em rede e a lógica, massageiam nosso cérebro constantemente. =)

Homem segurando um celular com a mão esquerda.

Como isso pode nos afetar negativamente

Para crianças que nascem imersas na tecnologia, como tablet e jogos, muito tempo com a tecnologia, pode afetar principalmente sua vida social. Tornando-a inibida para vivência do dia a dia. Deixe a criança o dia todo com o Tablet e depois retire repentinamente dela; aposto que uma crise será gerada.

Jovens e adultos também muito imersos, tendem a gerar um afastamento da vida social, se comunicando principalmente por aplicativos de troca de mensagens (WhatsApp, Skype, etc), ou não raro, ficando imersos sem conversar em seus computadores.

Apesar disso, há como haver um balanceamento entre tecnologia e vida social, tirando proveito de ambos os lados.

O mundo muda a cada segundo; e não há o menor problema com isso, somos uma especie acostumada a nos adaptar ao novo e isso é ótimo!

Seja digital sem abandonar suas relações pessoais.

Este artigo é cheio de gatinhos fofos. As fotos de Tran Mau Tri Tam.
Tiago Nicastro

Tiago Nicastro

Digital thinker, spacetime enthusiast, human-life philosopher, techno lover, love all-art-kinds and believes that AGI's cames for bettering the world. Work for a digital world made for humans, one qubit at a time.

Deixe um comentário